Luz

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

Presente da Luz

Estou confusa - Assunto T...

AAAHHHHHHHHHHHHH

Exposição solar

Qual será o "Sindrome"?

Boneca da Luz

Estaremos, só por acaso, ...

7 da manhã, olho aberto

Que silêncio

Palavras para quê...

Haja justiça

Passado da Luz

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Quero isto. Vou comprar.(Correcção, já comprei).

 

Os Meus 35 Anos Com Salazar

«Salazar entrou devagar na minha vida, sem eu dar por isso, ainda na minha infância. Quiseram logo a seguir separar as nossas vidas, mas revoltei-me e não deixei. Acompanhei-o assim até ao fim da vida dele.»

Durante 35 anos, Maria da Conceição Rita privou com António de Oliveira Salazar. Nenhum laço familiar os unia, mas com apenas seis anos, Micas, como Salazar carinhosamente a chamava, foi viver para a residência do «Senhor Doutor», por intermédio da sua familiar (por afinidade) Maria de Jesus Freire, a governanta de Salazar. Na primeira pessoa, a pupila de Salazar conta-nos os gostos gastronómicos do seu «protector», descreve o seu quotidiano até agora desconhecido, evoca as fábulas que o Presidente do Conselho lhe contava ao adormecer, recorda tanto as lições de tabuada e História como as raras confissões políticas que ele lhe fazia em passeios nocturnos pelos jardins de São Bento, explica a forma como a economia doméstica de São Bento era dirigida.

Por Luz às 14:49
Link do post | Comentar
8 comentários:
De Bento a 28 de Novembro de 2007 às 20:18
eu sinceramente, só com um ataque de grande curiosidade compraria tal livro... sei o que os meus avós sofreram nessa época, não directamente por PIDE ou afins, mas pela miséria em que se encontrava o Portugal rural.... em que se despejaram aldeias inteiras a procura de um futuro mais risonho noutras paragens no caso da minha família França, Luxemburgo, etc. , tenho muita pena de ter sido obrigado a viver a um distância tão grande dos meus avós tios primos, e quando os avós voltaram eu parti, e o preço da distância que hoje ainda se paga... fazer dinheiro com historias de ditadores do meu não
bjs
De Luz a 28 de Novembro de 2007 às 20:55
Sim o meu pai também me retrata a época da mesma maneira que tu, já a minha mãe que sempre viveu na cidade tem um prisma completamente oposto, é o 8 do 80.
A tua posição é a de muitos. Eu não vivi nesse tempo (tal como tu não viveste), mas devoradora de livros como sou (e ainda mais era antes de ser mãe), não vejo nenhum livro como dar dinheiro a A, B ou C é para mim apenas ler outro prisma.
Repara, é normal que aquela Sra tenha um ponto de vista diferente. Quantos de nós tem familiares ou amigos arrogantes, menos simpáticos ou autoritários com os de fora e connosco são um doce?
Eu sou a primeira a dizer que se tivesse vivido naquele tempo estava no mínimo presa! Com esta mania que tenho de dizer tudo o que penso sem me ralar com as reacções...
Fica bem
Beijinho grande

Comentar post

Etiquetas

abandono crianças(2)

acupunctura(1)

animais(2)

aniversário; afectos(1)

aniversário; filho(1)

anorexia(1)

bencao(1)

boneca(1)

crenças(1)

desabafos(1)

dimensões(1)

esmeralda(4)

espanha(1)

férias(1)

fernando pessoa(2)

filho(7)

filhos; silêncio(1)

filmes(2)

fitoterapia(1)

fotofobia(1)

hipocrisia(1)

índigo(1)

ivg(2)

livros(2)

mário quintana(1)

natal(2)

poemas(1)

recordações(1)

regresso(1)

revolta(5)

ridículo(2)

saúde(3)

sensibilização(2)

séries(1)

tourada(1)

triste(1)

vida(5)

todas as tags

subscrever feeds