Luz

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

Presente da Luz

Estou confusa - Assunto T...

AAAHHHHHHHHHHHHH

Exposição solar

Qual será o "Sindrome"?

Boneca da Luz

Estaremos, só por acaso, ...

7 da manhã, olho aberto

Que silêncio

Palavras para quê...

Haja justiça

Passado da Luz

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008

Não me diz respeito mas faz-me pensar

A educação que cada um dá aos filhos só aos próprios diz respeito, mas deparo-me com situações que me deixam a pensar pois influenciam quer queiramos quer não o que eles iram ser e os comportamentos que iram ter.

 

Uma vizinha minha é adorável como vizinha, é uma mãe preocupada mas por vezes opressiva. Tento fugir dela a sete pés porque eu tenho uma tremenda dificuldade de não dizer o que penso (acho que a dificuldade nem é tremenda é mesmo incapacidade) quando dou conta já disse, mas o facto de os nossos filhos irem juntos na carrinha para a escola faz com que me cruze com ela quer eu queira ou não.

 

O tema de hoje foi o facto de ela ter apanhado a filha, que tem a mesma idade do meu, 6 anos, a fazer corações no espelho da casa-de-banho após o banho com um determinado nome de um colega. Ao explicar-me isto ela dizia que lhe perguntou logo o que era aquilo mas que a miúda nem lhe conseguiu explicar de tanto chorar "oh mãe não me ralhes" dizia ela.

 

Eu já sabia pelo meu filho que se passam coisas do género, coisa que indigna 99% das crianças com quem a miúda desabafa. Muitas delas com 6 anos têm aqueles pseudo namorados , experimentam os seus primeiros beijos, etc .

 

Ao meu filho ainda não lhe deu para esse lado, mas pergunta-me muita coisa, ao que tento passar-lhe valores como o amor, o respeito etc e não sexo e prazer, mas consciente que ele um dia também saberá a diferença entre o fazer amor e dar uma queca ...

 

A minha questão no meio disto tudo é:

 

Este tipo de opressão, sim porque para mim é opressão, não fará com que a criança veja no amor, no afecto, nos beijos uma coisa proibida?

 

Não seria melhor explicar em vez de a deixar curiosa?

 

Oprimir não lhe poderá gerar comportamentos tipo nunca se entregar a ninguém (ou tarde) ou numa primeira entrega prematura e irresponsável?

 

Terá ela mais vontade de fazer/experimentar por ser literalmente proibida?

 

Quando eu tinha a idade deles, há mais de 20 anos, isto já existia, já se fazia. Não está esta mãe, que só por acaso é mais nova que eu, atrasada no tempo?

 

Escusado será dizer que ficou chocadíssima quando eu com a cara mais tranquila do mundo lhe disse "mas isso é normalíssimo...". Ao que ela respondeu "o quê????"

 

Será que sou eu que vivo noutro mundo e não sei?

Por Luz às 10:02
Link do post
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Etiquetas

abandono crianças(2)

acupunctura(1)

animais(2)

aniversário; afectos(1)

aniversário; filho(1)

anorexia(1)

bencao(1)

boneca(1)

crenças(1)

desabafos(1)

dimensões(1)

esmeralda(4)

espanha(1)

férias(1)

fernando pessoa(2)

filho(7)

filhos; silêncio(1)

filmes(2)

fitoterapia(1)

fotofobia(1)

hipocrisia(1)

índigo(1)

ivg(2)

livros(2)

mário quintana(1)

natal(2)

poemas(1)

recordações(1)

regresso(1)

revolta(5)

ridículo(2)

saúde(3)

sensibilização(2)

séries(1)

tourada(1)

triste(1)

vida(5)

todas as tags

subscrever feeds