Luz

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31

Presente da Luz

Estou confusa - Assunto T...

AAAHHHHHHHHHHHHH

Exposição solar

Qual será o "Sindrome"?

Boneca da Luz

Estaremos, só por acaso, ...

7 da manhã, olho aberto

Que silêncio

Palavras para quê...

Haja justiça

Passado da Luz

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Setembro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Revolta

O assunto de ontem deixou-me a pensar, como não poderia deixar de ser.

 

Ainda esta semana, quando o meu marido e eu fomos buscar o nosso filho, reparamos num pai que levava os 2 filhos no banco de trás sem qualquer medida de retenção. Não haviam cadeiras e nem sequer se deu ao trabalho de lhes colocar cinto de segurança.

Chamei a atenção do meu marido, ao que ele encolheu os ombros e disse "são estes que quando os vejo no hospital a chorar, agarrados aos filhos, me apetece mandá-los pôr as lágrimas pelo c... acima". E continuamos a observar a descontracção enquanto esperávamos pelo nosso filho.

 

A minha revolta não é correcta, não é justa pois estamos a falar de crianças, mas desde ontem me pergunto porque normalmente só morrem os filhos de quem investe em medidas de segurança, de quem não conhece o conceito do é já ali e não dispensa a cadeira nem que vá apenas percorrer 100 metros, de quem sempre se preocupou com esse conceito de nome Segurança.

É injusto!!!!!!

Porque não são estas coisas, que em abono da verdade se estão nas tintas para a segurança dos filhos, que ficam sem eles?

A desculpa de que uma boa cadeira é cara (já ouvi esta desculpa) para mim não serve. Não têm dinheiro para cadeira e têm dinheiro para carros? Tenham dó!

 

Também me apercebi que a classe social não é por si só um factor chave para esta despreocupação. Já vi uma Enfermeira que mesmo depois de já ter visto ene crianças vítimas de acidentes de viação continua a deixar que os filhos andem sem qualquer medida de retenção. Ofendeu-se comigo no dia em que lhe disse que não gosta deles, não pode, para mais com o conhecimento que tem. A ofensa não é para mim razão para deixar de dizer o que penso quando estou completamente convicta. Ela terá de lidar com a ofensa...

 

Não é justo, repito, sei que não é, mas se me dessem a escolher que criança deveria ir eu seria obrigada a escolher a que não teve qualquer preocupação com a sua segurança.

Não é justo mas se eu tiver à minha frente duas crianças em PCR (paragem cardio-respiratória ) eu investiria primeiro na que teve os ditos cuidados, acho que o meu cérebro nem se lembraria de analisar probabilidades, qual delas teria mais probabilidade de sobreviver. Acho que é por estas e por outras que jamais poderei exercer. O bom é que tenho consciência disso!

Por Luz às 10:28
Link do post
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Etiquetas

abandono crianças(2)

acupunctura(1)

animais(2)

aniversário; afectos(1)

aniversário; filho(1)

anorexia(1)

bencao(1)

boneca(1)

crenças(1)

desabafos(1)

dimensões(1)

esmeralda(4)

espanha(1)

férias(1)

fernando pessoa(2)

filho(7)

filhos; silêncio(1)

filmes(2)

fitoterapia(1)

fotofobia(1)

hipocrisia(1)

índigo(1)

ivg(2)

livros(2)

mário quintana(1)

natal(2)

poemas(1)

recordações(1)

regresso(1)

revolta(5)

ridículo(2)

saúde(3)

sensibilização(2)

séries(1)

tourada(1)

triste(1)

vida(5)

todas as tags

subscrever feeds